Mostre seu desktop

Modern-Desktop.png

Esse mês o blog Caminho Livre completa dez anos. Como parte das novidades que estamos planejando para o mês de agosto, estamos abrindo um espaço – Mostre seu desktop – para os leitores e seguidores que gostam de personalizar sua área de trabalho no Linux. Se você gosta de dar aquele toque pessoal na interface gráfica de seu computador, mande seu trabalho para que possam divulgar aqui no blog.

Para participar, basta encaminhar um “print” de sua área de trabalho no formato PNG ou JPG para o e-mail do blog, caminholivreblog(arroba)gmail.com. Além do print de seu desktop, o participante deverá enviar também o seu nome ou nickname, link de site pessoal ou twitter caso possuir, além das informações sobre a distribuição instalada, interface gráfica – KDE, Gnome, Cinnamon, Mate – além do tema e conjunto de ícones utilizados para personalizar seu desktop.

Todas as semanas iremos publicar um tema enviado pelos nossos seguidores e leitores. Os interessados já podem enviar desde já sua contribuição. Participe e mostre para todos o seu desktop!

Deixando o GNOME perfeito

O universo Linux tem como vantagem as inúmeras opções de escolha. Seja a distribuição, ambiente, formato de empacotamento, versões do kernel, enfim, há gosto pra qualquer tipo de usuário e talvez esse princípio seja o que mais agrada a gregos e troianos na hora de escolher o que melhor atende a necessidade e gosto de cada um.

Quando o assunto é interface gráfica, as opções se perdem, desde as mais simples até aquelas que exigem um certo grau de conhecimento e refinamento. Há também as que usam mais recursos e aquelas que primam pela leveza, enfim, tem gosto pra tudo e para todos.

Iniciei minha experiência no KDE 2 e terminei na versão 4 no saudoso Conectiva Linux. Com o GNOME minha jornada iniciou na versão 5.04 do Ubuntu e durou até a migração para o Unity. Com a mudança de direção da Canonical para o GNOME e após migrar meus computadores para o Debian 9, resolvi optar pelo GNOME novamente. O KDE Plasma é perfeito, o XFCE é sem dúvida um primor, porém, o GNOME ainda é aquele que atende melhor as minhas necessidades. O problema é que como foi concebido na versão 3, arriscaria dizer que é de doer o coração. Ainda não sei porque insistem nessa mania de convergência do desktop, mas isso e assunto para uma postagem futura.

Pois bem, após instalar o Debian e deixá-lo conforme minhas necessidades, era hora de dar um “tapa” no visual. Já manifestei isso em algumas postagens no twitter e por aqui também. Ainda sou adepto ao padrão “janelas”. Eu só fiz as pazes com o Unity porque deixaram eu colocar a barra de aplicações na parte de baixo de minha tela. Se não fosse isso, talvez estaria de implicância com ele até hoje.

Uma das minhas prioridades após instalar o Debian era moldar o GNOME de acordo com minhas necessidades de uso. Primo pela simplicidade do ambiente. Quanto menos firulas, melhor. Há quem curte informações, ícones e por aí vai, já até fui adepto, hoje gosto do básico. Para executar as alterações que precisava, fui para o GNOME Extensions. Antes de aportar por lá, pesquisei dicas valiosas em busca das melhores extensões para deixar o GNOME redondo e mais produtivo. Após catalogar e testar aquilo que necessitava, coloquei a mão na massa e parti para o abraço.

As melhores extensões para o GNOME na minha modesta opinião são aquelas que primeiro, atendem minhas necessidades e em segundo plano deixam o ambiente digamos, usável. Abaixo listo o que uso em meu desktop e uma breve descrição do que elas fazem.

01 – Arc Menu – Extensão que possibilita inserir um menu estilo Cinnamon. Suas configurações são simples e permitem setar o logo da distribuição, tamanho e ainda colocar um texto personalizado.

02 – Dash to Panel – Talvez a extensão que mais me agradou até o momento. Com ela podemos colocar a barra superior do GNOME em qualquer lugar e ainda inserir ícones personalizados. É aquela extensão indispensável para dar aquele toque final na interface. Ela pode ser colocada tanto no topo quanto nas laterais. Vai agradar aos órfãos do Unity na nova versão do Ubuntu.

03 – Gnome-shutdown button – Um dos grandes gargalos, especialmente para os que nunca mexeram num ambiente linux é encontrar certas opções. Todos sabemos que para desligar o sistema no GNOME é necessário clicar nos ícones da barra do sistema e mandar desligar a máquina. Nada intuitivo para quem está chegando. Essa extensão tem como finalidade simplificar o processo. Habilitada, ela coloca um ícone de desligar na barra e reduz ao mesmo tempo a quantidade de cliques para desligar o computador. Simples e útil.

04 – Openweather – Essa é maquiagem. Gostei dela por que nos últimos dias, em virtude da onda de frio que passou por aqui, possibilitou verificar a quantas andava a temperatura. Frescura útil. É bem personalizável e pode ajudar informando se vai chover ou não, apesar que nem sempre é 100% preciso.

05 – Topicon plus – Essa é outra extensão que me agradou muito. Na moral, os desenvolvedores do GNOME mataram as aulas de “Interface Homem X Máquina”. Aquele negócio de ter que clicar numa seta para ver as aplicações que estão rodando em segundo plano é ridículo. Essa extensão simplifica aquela bobagem, colocando os ícones na barra principal. Muito, mas muito útil e pelo menos não tão bisonha quanto a original.

06 – Transparent gnome panel – Outra extensão que vejo como maquiagem mas que da um plus a mais na personalização. Bem que poderia por exemplo ter a opção de configuração mais avançada, deixando a barra com o efeito “blur” ou algo semelhante. Ela é bem simples, deixa o painel transparente, dando um ar mais clean e menos pesado ao desktop.

07 – User themes – Essa vem por padrão, porem desabilitada. Possibilita ao usuário escolher e setar algum tema instalado.

Instaladas as extensões, basta configurá-las conforme seu gosto e necessidade e usar e abusar. Vale lembrar que para a instalação das extensões é necessário que a extensão chrome-gnome-shell esteja instalada no navegador, no caso aqui o Firefox. Na maioria das vezes o próprio navegador se encarregada de informar sobre essa necessidade. Se não ocorrer isso, busque por ela na loja do Firefox.

Além da extensões, há aquele toque pessoal na intertace. Um belo papel de parede, um bom tema e por fim um conjunto de ícones bem top pode valorizar muito seu desktop. O GNOME tem um conjunto de ícones bonito, porém, existem opções mais bacanas. Aqui uso o conjunto Obsidian Icon Theme. O tema é baseado nos ícones Faenza, sendo otimizados, deixando o ambiente agradável e bonito.

Já para a interface baixei dois temas. O primeiro o OSX-Arc e o tema Arc. O primeiro pode ser baixado em formato DEB e instalado pelo Gdebi ou com o comando no terminal:

sudo dpkg -i  nome_do_arquivo_baixado.deb

e o segundo conjunto de tema, o Arc, pode ser instalado com o comando no terminal:

sudo apt install arc-theme

Feito isto é só personalizar seu desktop de acordo com seu gosto, aplicar aquele papel de parede da hora e usar e abusar de sua criatividade. Da pra usar inclusive a versão dark nesses dois temas, deixando o ambiente ainda mais hard.

Finalizando, as opções de personalização não param por aqui. Existem outras extensões muito interessantes, além é claro de outros belos ícones e temas para seu GNOME. Tem alguma sugestão? Deixe aí nos comentários e compartilhe conosco sua experiência de personalização de seu desktop.

Até a próxima!

Personalizar é preciso

Um dos grandes baratos pra quem utiliza distribuições Linux é o poder de personalização. O amadurecimento do GNOME e KDE, ambientes que sofreram mudanças radicais nos últimos tempos, já permite ao usuário dar seu toque final, deixando o desktop bonito e agradável ao uso. Além dos dois ambientes citados,  o XFCE, Cinnamon, Mate e tantos outros possibilitam dar aquele gás na área de trabalho.

O GNOME, meu ambiente predileto,  com a mudança radical da versão 2 para 3, perdeu sua funcionalidade no quesito usabilidade e também no poder de personalização, fazendo com que me afastasse do projeto, buscando outras alternativas existentes. Um aspecto que deixo claro é que ainda sou apegado ao modelo janelas, visto que para as minhas tarefas, ainda é, sem dúvida nenhuma o melhor para minha produtividade.

Passei pelo KDE, XFCE, Cinnamon, Mate, LXDE e por fim o Unity, especialmente no Ubuntu 16.04, onde pude definitivamente retirar aquela barra lateral e colocar ela embaixo, deixando o desktop mais “minha cara”.

Pois bem, sempre deixei uma máquina com o GNOME instalado, onde realizo meus testes na interface, buscando uma maior otimização. O legal do GNOME Shell no entanto são as extensões. Através delas o usuário pode conseguir resultados bacanas na otimização do desktop. Assim sendo, com base nos meus últimos testes e, após um feedback positivo de algumas pessoas, resolvi descrever de forma sucinta meus ajustes até chegar ao desktop ideal. Vale lembrar que, nem sempre o que me agrada, vai te agradar, porém, a extensões que usei podem lhe ser úteis para personalizar o seu ambiente, deixando-o com a sua cara.

Para dar um toque “janelas”, o qual eu ainda sou adepto, usei a extensão Dash to Panel. Ela pega o painel superior do GNOME e posiciona-o de acordo com sua necessidade. Pode ser mantido no topo ou embaixo. A grande sacada dessa extensão é que ela permite adicionar ao painel, atalhos dos aplicativos, além de otimizar a barra de forma a distribuir melhor as informações. Você pode baixar a extensão clicando aqui.

Após instalada as extensões dash to panel e transparent gnome panel, basta o usuário configurar o painel de acordo com sua necessidade.
Configuração da extensão dash to panel com painel colocado embaixo e configurações específicas dos ícones e espaçamento.

Para dar um toque mais clean, visto que a barra permanecerá na cor preta, você pode usar a extensão Transparent Gnome Panel. Ela não tem uma configuração detalhada. Ao ser instalada ela deixa a barra transparente. Existem outras soluções para tal, inclusive possibilitado configurações avançadas, porém recomendo esta, a qual pode ser instalada por aqui.

No detalhe, o painel transparente com o uso da extensão Transparent Gnome Panel

Por fim, apesar de bonitos os ícones do GNOME, optei por algo mais moderno. Usei por um tempo os ícones FAENZA, só que uma nova variante desses ícones surgiu, a qual na minha opinião deixou a interface mais bonita. Para esse ajuste instalei os ícones Obsidian-1. No terminal digite:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons -y

sudo apt update && sudo apt install obsidian-1-icons -y

 

Pra finalizar a mudança, instalei também o tema Adapta-Gtk. Este tema trabalha com o conceito material design, o que da um toque especial na interface em conjunto com os ícones Obsidian-1. Para instalar o tema, digite no terminal:

sudo add-apt-repository ppa:tista/adapta -y

sudo apt update && sudo apt install adapta-gtk-theme adapata-backgrounds -y

 

Feito isto, basta personalizar a sua interface de acordo com sua necessidade, dando seu toque pessoal ao desktop e aplicar um papel de parede de sua preferência.

Antes de finalizar, lembre-se que para instalar as extensões do GNOME na sua distribuição é necessário instalar um plugin para o Firefox. No Chrome esse plugin já vem instalado. No Firefox, em extensões, procure por “chrome-gnome-shell” e proceda a instalação. Assim será possível instalar extensões através do site GNOME Extensions.

Gostou da postagem? Deixe seu comentário e até a próxima!

Webminal a maneira mais fácil de aprender sobre o terminal do Linux

A maior dificuldade de novos usuários que migram para o Linux é o terminal.  Para muitos a tela preta é um enorme quebra cabeça e dificulta muito a utilização, em especial  para quem não está familiarizados com essa poderosa ferramenta.

Dominar o terminal requer certa dedicação e estudo, afinal, é uma ferramenta que proporciona inúmeras possibilidades ao usuário, desde configurações, manipulação de arquivos e outras tantas. Existem centenas de sites, canais no youtube e materiais que tratam o assunto de forma a possibilitar um aprendizado mais eficaz, mas ainda assim muitas pessoas ainda torcem o nariz para a linha de comando.

Para quem está chegando no Linux é importante que o básico dos comandos em um terminal sejam  entendidos, haja visto que, mesmo aquelas distribuições que possuem ferramentas gráficas para configurações e automatização requerem a intervenção via linha de comando, sendo então necessário entender ao menos o essencial.

Para você que está cegando ao universo Linux e busca aprender mais sobre linha de comando, o site Webminal te oferece de forma gratuita e interativa (aprendendo e fazendo), em um terminal online, a praticar e usar as ferramentas mais comuns utilizadas no terminal.

Para usar o Webminal, basta registrar-se no site criando uma conta (em inglês) , e botar a mão na massa, realizando as atividades disponíveis. Então, o que você está esperando? Mãos a obra e bons estudos.

Via genbeta.com