Lançado o Debian 9 Stretch

Depois de 26 meses de desenvolvimento, o projeto Debian tem o orgulho de apresentar a sua nova versão estável 9 (codinome “Stretch”), que será suportada durante os próximos 5 anos, graças ao trabalho combinado da equipe de Segurança do Debian e da equipe de Suporte de Longo Prazo do Debian.

O Debian 9 é dedicado ao fundador do projeto, Ian Murdock, que faleceu em 28 de dezembro de 2015.

Na “Stretch”, a variante MySQL padrão agora é o MariaDB. A substituição dos pacotes do MySQL 5.5 ou 5.6 pela variante MariaDB 10.1 acontecerá automaticamente na atualização.

O Firefox e o Thunderbird retornam ao Debian com o lançamento da “Stretch”, e substituem as suas versões com as marcas removidas Iceweasel e Icedove, que estiveram presentes no repositório por mais de 10 anos.

Graças ao projeto “Reproducible Builds”, mais de 90% dos pacotes fonte incluídos no Debian 9 construirão pacotes binários idênticos bit-a-bit. Essa é uma funcionalidade de verificação importante que protege os usuários contra tentativas maliciosas de adulterar compiladores e redes de construção. Versões futuras do Debian incluirão ferramentas e metadados para que usuários finais possam validar a procedência de pacotes dentro do repositório.

Administradores e aquelas pessoas que estão em ambientes sensíveis a segurança podem se confortar em saber que o sistema gráfico X não exige mais privilégios de “root” para executar.

A versão “Stretch” é a primeira versão do Debian a apresentar a ramificação “modern” do GnuPG no pacote “gnupg”. Isso traz criptografia de curva elíptica, padrões melhores, uma arquitetura mais modular e suporte melhorado a smartcards. Nós continuaremos a fornecer a ramificação “classic” do GnuPG como gnupg1 para pessoas que precisam dela, mas agora ela está obsoleta.

Os pacotes de depuração estão mais fáceis de obter e usar no Debian 9 “Stretch”. Um novo repositório “dbg-sym” pode ser adicionado à lista de fontes do APT para fornecer símbolos de depuração automaticamente para vários pacotes.

O suporte a UEFI (“Unified Extensible Firmware Interface”), introduzido primeiramente na “Wheezy”, continua a ser consideravelmente melhorado na “Stretch”, e também suporta a instalação em firmware UEFI de 32 bits com um kernel de 64 bits. As imagens Debian live agora incluem suporte à inicialização UEFI como uma nova funcionalidade, também.

Esta versão inclui vários pacotes de software atualizados, tais como:

Apache 2.4.25
Asterisk 13.14.1
Chromium 59.0.3071.86
Firefox 45.9 (no pacote firefox-esr)
GIMP 2.8.18
uma versão atualizada do ambiente de área de trabalho GNOME 3.22
Coleção de Compiladores GNU 6.3
GnuPG 2.1
Golang 1.7
KDE Frameworks 5.28, KDE Plasma 5.8, KDE Applications 16.08 e 16.04 para componentes PIM
LibreOffice 5.2
Linux 4.9
MariaDB 10.1
MATE 1.16
OpenJDK 8
Perl 5.24
PHP 7.0
PostgreSQL 9.6
Python 2.7.13 e 3.5.3
Ruby 2.3
Samba 4.5
systemd 232
Thunderbird 45.8
Tomcat 8.5
Xen Hypervisor
o ambiente de área de trabalho Xfce 4.12
mais de 51.000 outros pacotes de software prontos para uso, construídos a partir de pouco mais de 25.000 pacotes fonte.

Com essa ampla seleção de pacotes e seu tradicional amplo suporte de arquiteturas, o Debian mais uma vez se mantém fiel ao seu objetivo de ser o sistema operacional universal. Ele é apropriado para muitos casos diferentes de uso: de sistemas desktop a netbooks; de servidores de desenvolvimento a sistemas de cluster; e para servidores de bancos de dados, web ou armazenamento. Ao mesmo tempo, esforços adicionais para garantia de qualidade, como instalação automática e testes de atualização para todos os pacotes do repositório do Debian asseguram que a “Stretch” satisfaz as altas expectativas que os usuários têm de uma versão estável do Debian.

Um total de dez arquiteturas são suportadas: PC de 64 bits / Intel EM64T / x86-64 (amd64), PC de 32 bits / Intel IA-32 (i386), PowerPC de 64 bits little-endian da Motorola/IBM (ppc64el), IBM S/390 de 64 bits (s390x), para ARM, armel e armhf para hardware de 32 bits antigo e mais recente, além de arm64 para a arquitetura de 64 bits “AArch64”, e para MIPS, em adição às duas arquiteturas de 32 bits mips (big-endian) e mipsel (little-endian), há uma nova arquitetura mips64el para hardware de 64 bits little-endian. O suporte para PowerPC de 32 bits da Motorola/IBM (powerpc) foi removido na “Stretch”.

Para testar o Debian 9 em um live CD ou pendrives, clique aqui para baixar a imagem, caso prefira realizar uma instalação diretamente no disco, clique aqui.

Créditos: Projeto Debian

Lançado Ubuntu 16.04

Ubuntu 16.04

Já está disponível a mais nova versão do Ubuntu. Baixe já a versão 16.04. Abaixo seguem os links dos diversos sabores da mais nova versão do sistema da Canonical. Para mais informações sobre o lançamento, clique aqui.

Baixe já seu sabor favorito nos links abaixo:

Ubuntu Desktop 16.04
Ubuntu Gnome 16.04
Kubuntu 16.04
Xubuntu 16.04
Lubuntu 16.04
Ubuntu Mate 16.04
Ubuntu Kylin 16.04
Ubuntu Studio 16.04
Ubuntu Core 16.04
Ubuntu 16.04 (NetBoot)
Ubuntu Cloud 16.04

Lançado Debian 8.4 com correções de segurança e atualizações de pacotes

debian-logo-horizontal

Foi liberado ontem, 02/04 a mais nova versão do Debian 8.4 e 7.10. Ambas receberam uma série de atualizações de segurança e várias correções de pacotes.

Para maiores informações do lançamento clique aqui para a versão 8.4 e aqui para 7.10.

Calendário de lançamento Ubuntu 16.04 LTS

Ubuntu 16.04 LTS

A data de lançamento do Ubuntu 16.04 LTS está prevista para o dia 21 de abril de 2016. Esta será a sexta versão Long Term Support para o sistema operacional da Canonical, a qual terá cinco anos de suporte. O Ubuntu 16.04 codinome Xenial Xerus virá com o Unity 7 e kernel 4.4.

Momento nostalgia – Linux 5.0?

Linux 5.0
A matéria falava da versão 5.0 do Conectiva Linux

Não há nada mais gratificante do que rememorar boas lembranças. Naquele dia 05 de outubro de 2000, numa quinta-feira, ao abrir o caderno de informática do Jornal Estado de Minas, tive um encontro que mudou para sempre minha visão sobre a tecnologia. Hoje, dando uma organizada em algumas coisas, encontrei este encarte, o qual jurava ter perdido e resolvi compartilhar com vocês esse momento nostálgico.

Jornal Estado de Minas
Clique na imagem para ver em tela cheia a matéria de capa.

A matéria começava falando da Linux Expo Brasil, que tinha acontecido uma semana antes da cidade de São Paulo e tratava o sistema operacional desenvolvido por Linus Torvalds como a principal estrela do evento. Na capa, uma foto do saudoso Conectiva Linux versão 5.0, a qual guardo com todo o carinho e esmero junto com o encarte do jornal, aguçou minha curiosidade. Não que eu já não tivesse ouvido falar do sistema. Algum tempo antes, numa conversa informal com amigos, isso na porta de uma funerária, o Linux chamou minha atenção justamente pelo fato de ser livre e seguro.

Conectiva

O texto também apontava as vantagens do sistema, o qual era bem mais barato que uma versão paga do Windows e permitia ao usuário promover modificações em seu código fonte. Me recordo de ter pago 88 reais na caixa do Conectiva 5. Ali começava minha verdadeira aventura no mundo da tecnologia.

Como disse o autor da matéria, “quem conhece o Windows e passa a utilizar o Linux, fica virtualmente apaixonado”. Realmente Laércio Vasconcelos não estava errado. Aquilo foi amor a primeira vista. Eu tinha que pôr a mão naquela caixa e instalar o Linux em meu velho Pentium MMX. Lógico que eu não tinha nenhuma noção de como comprar e nem como instalar aquele sistema, mas era isso que eu queria. Naquela época eu já usava dois discos rígidos e decretei que o segundo seria usado para o Linux. O grande barato daquilo tudo era saber que o sistema poderia coexistir numa boa com o Windows, então era descobrir onde comprar e instalar.

Download
Clique na imagem para ler o texto completo.

Um fator desanimador, e que hoje seria o menor dos problemas, era conseguir uma cópia online. A matéria falava em 18 horas para baixar todo o sistema. Hoje porém a história é outra, em menos de vinte minutos podemos baixar, dependendo da conexão, um DVD do Debian, Ubuntu, openSuse, Fedora dentre outros inúmeros sabores de Linux existentes e disponíveis. Porém, usando conexão discada naquela época e um maldito winmodem, essa tarefa estava bem distante de minha realidade. Naquele mesmo dia, após pesquisar depois da meia-noite – sim, as conexões eram feitas após a meia noite para baratear a conta telefônica – comprei meu Conectiva 5.

Programas e Interface
No detalhe acima o WindowMaker desenvolvido pelo brasileiro Alfredo Kojima e abaixo o KDE

A matéria além de mostrar screens de programas, o saudoso WindowMaker criado pelo brasileiro Alfredo Kojima, o KDE talvez em sua versão 1 ou 2 e lógico, a facilidade de instalação do sistema, o que na verdade não foi tão fácil assim para um principiante como eu, demonstrava o potencial do sistema para o mercado de trabalho, terminando suas conclusões mencionado que o Linux não era mais uma curiosidade acadêmica, mas sim um sistema maduro, robusto e seguro. Alguém duvida disso?

Ao longo desses quinze anos, o qual tive o incomensurável prazer de instalar o Conectiva 5 e dar minhas primeiras cacetadas no sistema de Linus, uma coisa é certa, o prazer é indescritível. Aprendi muito com o sistema do pinguim. Lógico que nem tudo foram flores. O caminho das pedras foi longo. Um dos fatores que mais dificultaram esse processo era a falta de documentação. O BR-Linux de Augusto Campos era até então um dos poucos sites que tratavam do assunto. Era e talvez seja o porto seguro de muitos usuários até hoje. A Conectiva também tinha um vasto material que ajudava e também atrapalhava em alguns momentos. O certo é que essa caminhada proporcionou além do conhecimento, amigos, boas discussões e até esse modesto blog.

Vale a pena usar Linux em seus computadores? Sempre me questionam isso. Nunca titubeei, claro que vale! As oportunidades são muitas e a curva de aprendizado é maior ainda.

Coleção
Versões do Conectiva Linux adquiridas em caixa. A versão 10 foi baixada direto do site.

Desde o Conectiva 5, passando pela versão seis, sete, oito, nove e finalizando na versão 10 do sistema, as quais tenho guardadas com muito carinho, cada uma me proporcionou alguma alegria e tristeza ao mesmo tempo. Após a fusão da Conectiva e Mandrake que resultou no Mandriva, experimentei um pouco de cada distro existente no mercado. Hoje uso o Debian e tenho uma enorme certeza, o Linux mudou minha forma de ver a tecnologia em toda a sua amplitude.

E você, como conheceu o Linux? Conte pra gente sua experiência com o sistema do pinguim.