O dia em que o curso parou

Hello world! Bom, hoje não vou falar de Linux, nem dar alguma dica, ou mesmo tratar de alguma novidade. Hoje o papo aqui é sério e meus leitores, me desculpem, mas preciso contar uma historinha para vocês. Espero de alguma forma contribuir para aqueles que um dia possam cair no papo, ou melhor, na primeira propaganda bonitinha que aparecer na TV.

Minha, quer dizer, “nossa” saga começou em 2006 quando iniciamos o curso de Sistemas de Informação na UNIPAC Campus Bom Despacho. Tudo era novo, lembro-me que estávamos malucos para programar. Tempo bom aquele, éramos felizes e não sabíamos. Porém, no decorrer do curso as coisas foram se revelando e a ficha foi caindo.

No meu caso por exemplo, quem me convidou a fazer o vestibular da UNIPAC foi a Débora. Eita, que gracinha de menina viu! Foi num domingo, na hora do almoço. Até engasguei de satisfação. Justo a Débora! É, foi ela mesma, a Falabela! Vi a propaganda  e ela me convenceu que valeria a pena estudar numa instituição séria e moderna. Bom, como sempre considerei muito a credibilidade das pessoas, especialmente a da Débora, não exitei e no dia seguinte eu tava lá, não com a Débora, mas na internet para fazer minha matrícula. Fiz, estudei e passei.

No início tudo era lindo. Todos os cursos de sistemas estavam num mesmo curral, ops, desculpem, estavam num mesmo pavilhão e o nosso, bem, o nosso estava num moderno e luxuoso prédio que ficava do outro lado da instituição. Éramos as ovelhas desgarradas. Quanto ao “moderno prédio”, é verdade que ele precisava de alguns ajustes, como construir mais três andares e concluir a obra. Mas tava valendo, o único problema que enfrentávamos era a chuva. Quando ela vinha, as salas viravam uma belo lago. Perigoso era afogar ali.

O tempo passou e no final de 2007 veio a necessidade de buscar algo de bom para nós. Já estávamos cansados do descaso da instituição para com nosso curso. Nessa ocasião já havíamos saído do pombal. Pombal é o prédio ainda inacabado em que nossa sala se encontrava. Na ocasião fomos transferidos para perto das demais turmas de sistemas. A sala era boa e ficava próxima aos laboratórios de Software Livre e Engenharia de Software. Talvez estes dois tenham sido o local onde mais tempo permanecemos desde o quarto período. Uma coisa interessante e que não mencionei é que nossa turma era bem grandinha. No decorrer dos períodos, o número de laptops também cresceu bastante. O legal mesmo era que, numa turma de quarenta e  poucos alunos, e muitos deles com laptops, todos tinham que disputar à tapa os dois únicos pontos de energia existentes em  nossa sala de aula. Pô, economia porca heim! Pois é, assim começa efetivamente nossa segunda parte da história.

Não me recordo o dia. Sei que tínhamos uma prova prática de Delphi e os alunos que possuíam notebook poderiam utilizá-lo durante a avaliação. Os demais ficariam no laboratório de engenharia de software. Durante a realização da avaliação, nosso antigo coordenador, Prof. Pagliares pode ver com seus próprios olhos a que ponto a coisa havia chegado. Lembro-me que de cabo a rabo na sala de aula, os fios das extensões elétricas se espalhavam pelo chão. Sinceramente, sabe aqueles “gatos”, muito utilizados em favela pra pegar emprestado energia elétrica, o nosso ganhava. Era muito fio espalhado. Com isso, começamos uma campanha em busca de melhorias, dentre elas laboratórios mais estruturados e com recursos multimídia, mais pontos de energia nas salas de aula e a viabilidade de uma rede wireless. Através de nosso antigo coordenador, nosso pleito foi levado ao Comitê Gestor e fomos recebidos para uma reunião. Nesse proveitoso momento colocamos nossos anseios perante ao diretor administrativo e nos foi prometido melhorias. Assim  terminava 2007, o ano seguinte prometia: as mensalidades aumentaram!

Fevereiro de 2008. Chegamos e pra nossa felicidade, nada de pontos, nada de wireless. Resposta: Estamos providenciando. Nos foi solicitado um “prazinho” curto. Depois do carnaval. Confiamos nas palavras do coordenador e partimos pra folia.

Ao retornar as aulas, enfim, o sonho foi realizado. Nossos olhos marejavam de felicidade. Numa turma de pouco mais de 35 alunos e com dois pontos de energia elétrica, ganhamos mais 5 reforços. Pelo menos o número de extensões elétricas diminuíram. Quanto aos recursos multimídia, bom, o Lab Linux já tinha um Data Show. Então nenhuma novidade. Faltava o de engenharia, isso veio depois. Demorou, mas veio. Pra tentar minimizar, colocaram TV’s de 29 polegadas em cada sala de aula. Bacana, mas inútil, porque nem sempre atendia as necessidades. Finalmente a rede wireless. Eita coisa maravilhosa! Segundo  nos foi informado, foi colocado ali devido ao nosso curso. Existia porém a promessa de ampliação para as demais dependências do Campus, mas as cobaias seríamos nós alunos de sistemas. Após isto fizeram uma reforma bacana na biblioteca. Ficou show demais. Isso reconheço e parabenizo a instituição. Pelo menos um local bem organizado. Colocaram novos computadores, todos com LCD, a entrada agora é através de biometria digital. O mobiliário novo deu uma modernizada. Mas aquelas janelas! Terminaram também o pombal, quer dizer, o prédio novo. Agora sim, é prédio! Fizeram a ampliação do estacionamento e mais um monte de melhorias. Mas ainda precisam fazer mais, ou seja, tratar os alunos como alunos e clientes.

Bom, as conquistas aconteceram. Tudo virou um mar de rosas, afinal, tínhamos conquistado nosso objetivo. Porém o primeiro nocaute. Perdemos ótimos professores. O que nos deixou mais cedo foi o Cristiano. Ou, te falar, o cara era fera. Nos dois sentidos. Sabia demais e cobrava mais ainda. Uma terrível perda. Depois foi o “Bad”. Me permita viu Wellington. Realmente um excelente professor de Banco de Dados e Delphi. Tá certo que uns vão e outros veem, mas é difícil aceitar essas saídas repentinas. Finalizando, o segundo round foi a perda do coordenador. Vou me ater aqui apenas à perda, porém confesso, a saída do Pagliares foi um baque. Perdemos um amigo, um companheiro de lutas e um ótimo professor de Java. Apesar de enérgico com os alunos.

O segundo nocaute foi hoje. Isso já era de conhecimento, porém não acreditávamos nessa possibilidade visto que esperávamos outra atitude, como por exemplo uma possível ampliação, mas isso não aconteceu. Ao chegarmos para mais um dia de aula, eis que fomos surpreendidos com isso:

local do crime
Local do crime

Bacana né? Entendeu não? Vou contar então. Se você teve a paciência de ler até aqui, vai se lembrar que falei sobre a conquista da rede wireless. Hoje ao chegarmos à faculdade fomos pegos de surpresa. Simplesmente roubaram o roteador. Ou, chama a “puliça”! Ops, uai, “puliça” sou eu! Desculpem pela brincadeira, mas por ordem de algum “bacana”, tomaram nosso ponto de acesso. Quem estava lá podia ver o o que sobrou.

Alunos compenetrados, apesar de terem cortado o sinal em retaliação ao movimento
Alunos compenetrados, apesar de terem cortado o sinal em retaliação ao movimento

De imediato nos mobilizamos. Formamos uma comissão de dois alunos de cada período e fomos atrás de nosso direito. Ainda bem que o temos, porque ultimamente só tenho tido o direito de pagar a mensalidade e olha lá!

Procuramos o coordenador. O Eduardo nos recebeu muito bem e explicou que  só havia ficado sabendo da mudança durante a tarde. Nos disse que buscaria as informações e assim que obtivesse uma reposta nos colocaria á par da situação.

Alunos discutindo sobre a mudança do roteador wireless
Alunos discutindo sobre a mudança do roteador wireless

Bom, fazer o que né! Ele não sabia, o comitê não sabia, ninguém sabia. Porém, o roteador estava lá, bem na praça de alimentação, pendurado numa viga e irradiando sinal para todos os demais alunos. Isso que chamo de democracia. Pensaram no coletivo. É nessas horas que vejo o quanto o “bacana” que deu essa ideia brilhante pensou nos pobres e oprimidos alunos dos demais cursos.

Apareceu a margarida!
Apareceu a margarida

Puta que pariu! Falei. Sinceramente, é inaceitável isso.  Será que é tão caro assim aumentar os pontos de acesso em vez de trocar um de local? Ó, pessoal da UNIPAC, vou tomar a liberdade de ajudá-los no orçamento de alguns itens para montar mais um ponto. Pega uma caneta e um papel e anota aí:

roteadorDLINK DI-525 ROTEADOR WI-FI 54MBPS 1WAN 4LAN 10/100MBPS

Preço: R$113,85 à vista – pode ser comprado aqui. (Quero meu jabá viu!)

Com a mensalidade de dois alunos, podemos comprar 05 (cinco) roteadores, 01 caixa com 305 metros de cabo UTP Azul Furukawa, no valor de R$322,00 que pode ser adquirida aqui e ainda sobram R$150,75 para os conectores, pro picolé e pro que mais der na telha.

Anotaram né? Espero que sim. Bom, voltando a minha lamúria, que já está terminando, após a conversa com nosso coordenador, que infelizmente não pode fazer muito devido ter sido pego de surpresa com a mudança e não conseguirmos uma audiência com o responsável pela logística da instituição devido o mesmo ter alegado que estava muuuuuuuuito atarefado, resolvemos fazer valer nossos direitos. Após uma pequena conversa com os representantes das turmas, resolvemos a questão da melhor maneira. Bem, se a montanha não vai até Maomé, Maomé vai até a montanha. Assim, decidimos assistir as aula ali, na praça de alimentação da Universidade. Uma das nossas preocupações no entanto foi não fazer nada que tirasse o direito dos demais. Fizemos aquilo de forma pacífica. Na oportunidade, até convidamos o diretor administrativo a participar conosco da aula, mas devido ao acúmulo de serviço, ele não pode comparecer. Recebemos também o apoio do DCE. Estiveram conosco boa parte de nossa manifestação.

Novo Laboratório de Sistemas
Novo Laboratório de Sistemas
Prof. Henrique dando sua aula e lembrando que o shell não faz parte do sistema operacional
Prof. Henrique dando sua aula e lembrando que o shell não faz parte do sistema operacional

“O prof. Henrique não estava endossando, apoiando, incentivando ou coordenando a movimentação, e queria apenas que seus alunos não fossem prejudicados na sua aula sobre WiFi.”

Mas tem uma coisa que é foda. Tal de aluno é uma merda mesmo. De posse de um celular, uma ideia na cabeça e vontade de buscar ao menos uma reposta, um colega ligou para a instituição e solicitou falar com o representante do comitê gestor. Conseguimos enfim a audiência. Abro aqui um parêntese quanto a isso. Veja bem caro leitor. Como clientes, especialmente de uma instituição particular de ensino, mesmo ocorrendo uma manifestação pacífica como a nossa, é sensato tentar resolvê-la da melhor maneira possível. É inadmissível ignorar, mesmo os afazeres sendo prioridade. Jamais ignore o pedido de seu cliente. Outro aspecto relevante: a educação e cortesia fazem parte do contexto. Talvez as palavras usadas não tenham sido colocadas da melhor maneira, mas nos receber com descaso e arrogância é sem dúvida uma prova de despreparo para tal cargo ou função. Talvez isso sirva para que condutas sejam revistas e o tratamento seja polido, educado e humano. Lembrem-se: Nós pagamos o seu salário!

A internet foi cortada em retaliação
A internet foi cortada em retaliação

Após a discussão, no sentido pleno da palavra, e, após os ânimos ficarem mais calmos, tivemos a garantia de que seremos recebidos na próxima segunda-feira dia 23 de março, para discutir sobre o assunto. Esperamos que essa reunião seja esclarecedora e tenhamos no mínimo a promessa de que em vez de simplesmente trocar de um lugar para o outro, esses “bacanas, sabichões e doutores em administração”, vejam que a valorização de uma instituição ocorre, quando ela investe em benefícios para seus alunos. Não se esqueçam! Não é a Débora e outras tantas famosas que irão engrandecer o nome da UNIPAC para arrebanhar mais calouros. A maior propaganda é feita por aqueles que todos os dias lotam as salas de aula em busca de conhecimento, pagam caro, merecem ser tratados com educação e ter uma estrutura melhor. E tenho dito!

Update: Qualquer forma de manifestação que tenha sido feita de forma isolada e anônima, está em desacordo com o que foi estabelecido entre os representantes de cada período. A comissão de alunos do curso de Sistemas  de Informação desaprova e não concorda em hipótese alguma com ataques a funcionários, professores e pessoas da UNIPAC. Apesar de insatisfeitos com o ocorrido, toda e qualquer forma de manifestação feita fora do que foi estabelecido, deve ser considerada por quem de direito como ato isolado .

Anúncios

7 comentários sobre “O dia em que o curso parou

  1. InFog 20 de março de 2009 / 12:12

    Cara, realmente é para ficar puto com uma situação dessas… Isso me lembra a instituição onde faço minha pós graduação, lá tínhamos um sinal wireless muito fraco, demoraram uns 6 meses para colocar mais um ponto de acesso. O “legal” é que quando colocaram mais pontos de acesso resolveram cortar todas as portas menos a 80, isso mesmo nos deixaram apenas com acesso web, nada de https, afinal conexão criptografada é para os fracos… Fora outros serviços que usam portas diferentes da 80. Mas essas instituições são assim mesmo, força na luta ai e boa sorte!

    InFog

    Curtir

  2. TUx 20 de março de 2009 / 19:21

    è kara , eu sei bem o que é isso , isso me lembra os 4 anos de bacharelado em ciencia da computação , foram 4 anos de descaso, pra não dizer que foram 4 anos, resolveram colocar maquinas descentes no lab de informatica só no nosso 4º ano ( valeu de alguma coisa , mas para nós que estavamos no ultimo , não foi de muita utilidade) , lembro-me que no 2º ou 3º ano , houve uma manifestação , um tanto punk rss, diante de tanta revolta, houve um certo nivel de vandalismo diante da sala de aula , onde houve uma reunião com a vice- reitora ( que se diga de passagem, uma veia nojenta que fuma mais que cobra) ,no qual ameaçaram os “agressores” com punições de multa ou expulsão ( os mesmo não se apresentram ficando assim sem saber quem foi pelo lado da vice -reitora , pelo nosso lado ja sabiamos quem era, e entendiamos o lado dos karas), no fim das contas , a turma estava decidida a se juntar pra mudar de instituição para que a mesma se f****, mas por conta de alguns gatos pintados que tinha bolsa ou meia bolsa, mais alguns queridinhos do coordenador, os que estava disposto desistiram , e ficou por isso mesmo. é triste =/

    Curtir

  3. TUx 20 de março de 2009 / 19:24

    isso sem contar que tenho raiva do mec até hj por ter liberado aquela merda de aulas complementares , a instituição se aproveitou dessa merda pra diminuir o numero de aulas ( tendo como consequencias , menos gastos com professores , bom pra eles né ) , mas a nossa mensalidade nada de diminuir , pelo contrario , só aumentava

    Curtir

  4. Viviane Vilela 21 de março de 2009 / 00:40

    Caramba! Aqui em Goiás deve ter muito disso (problemas) nas universidades e faculdades vinculadas a tecnologia, administração… mas de qualquer forma, as poucas revoltas que vi foram mais bem pautadas do q o ocorreu na mencionada instituição. Tem-se um dos primeiros pensamentos o de pegar as malas e cair em outra universidade, muitas vezes de “pára-quedas” , é tombo na aterissagem mesmo, pq tem toda aquela história de dever e pagar materia, já q as grades se dão de forma diferente. Mas ainda assim, é uma das melhores coisas a se fazer quando o descaso é extremo! capitalismo, capitalismo… malditos esses que não dão valor à formação dos proprios clientes, futuramente estarão sem “quadro’ competente de mestres!

    Curtir

  5. Cristiano de Macêdo Neto 21 de março de 2009 / 21:32

    Wendell,

    Gostaria de agradecer os elogios postados a minha pessoa e parabeniza-los pela organização e postura perante os fatos. É extremamente gratificante ver que o curso vem amadurecendo juntamente com seus alunos e que a cada dia, vocês tem mais consciência sobre o papel de um curso de nível superior.

    Abraços a todos vocês

    Cristiano.

    Curtir

  6. Leo Cassemiro 23 de março de 2009 / 17:01

    Parabéns aos camaradas estudantes do curso de Sistemas de Informação.

    É bom saber que existe estudantes que tem coragem e atitude, para brigar pelos seus direitos. Com inteligência, é claro, como vocês fizeram. E hoje, reuniremos com o a direção e vamos ver qual será a posição e atitude da mesma, perante ao fato.
    Esperamos que tudo si resolva, e que agora tenha dois roteadores, e que já venha com um plano para ampliar para os demais alunos.
    Não acho que devemos mudar de universidade, e sim, brigar, correr atrás para que tenhamos um ensino de qualidade, uma estrutura que de condições para que tenhamos uma ótima formação.
    Mas é bom que fique claro, que hoje vamos conseguir essa vitoria, mas a guerra não acaba aqui. Temo que reivindicar nossos direitos todos os dias, e isso acontece com a união dos estudantes do curso e também com os demais estudantes.
    Tratamento digno, é isso que queremos.
    Mais uma vez parabéns a todos os estudantes de Sistemas de Informação da UNIPAC Bom Despacho, pela coragem, inteligência. E também é claro ao Wendell, por esse glorioso texto.
    Leonardo integrante do DCE.

    Curtir

  7. BRUCE LEE 24 de março de 2009 / 23:13

    Muito bom seu texto, mas mesmo ja tendo me formado, fiz a pos graduação novamente na instituição acima descrita. Prometerao mil maravilha, disiao que alunos de “pós” eram outro nivel, que o tratamento seria outro. kkkkkkk
    Ate parece, no inicio como sempre, ate foi legal, coquetel na inalguração, professor renomado da UFRJ. Mas foi só.
    No meu modo de ver, este curso esta aonde esta, pelo que o nosso ex-coordenador fez, sem o Pagliares ai, te pergunto. ONDE VAI PARAR O CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA UNIPAC-BD ? ? ?
    Parabens pelo texto, fui um dos que lutei, reclamei, pedi, chinguei e etc….
    nao deixem esta bandeira cair; e no que puder ser util, estarei a disposição !

    Curtir

Os comentários estão desativados.