A força do trabalho coletivo

Após uma maratona de três dias implementando um trabalho da faculdade e antes de ir ali pro meu merecido descanço pra começar bem a semana, não poderia deixar de escrever minha experiência pessoal ocorrida nos últimos dias.

Ando meio inadimplente com o blog, isso é um mal sinal, porém vou deixar claro, não sou relapso em relação a ele, é porque realmente as últimas semanas têm sido difíceis. Mas é por aí. Trabalhar, estudar e cuidar da própria vida é complicado e eu sabia que seria difícil, ainda mais em semana de prova.

Mas vamos deixar de lamúrias e passar para o assunto principal, ou seja, o trabalho colaborativo. Comecei a entender um pouco sobre o assunto quando cheguei ao universo opensource, quando descobri o Linux mais especificamente e tento trazer isso comigo, seja em casa, no trabalho e na faculdade.

De lá pra cá valorizo muito a questão ajudar. Pena que muitas pessoas não vislumbram essa coisa de estar sempre que possível, disponível em colaborar, seja com projetos ou coisas do dia-a-adia.

Como disse, esse fim de semana pude constatar isso quando estava desenvolvendo a aplicação sugerida pelo meu professor de Delphi. Em minha faculdade o Delphi está na grade do curso. São dois períodos. Para alguém como eu, que nunca havia mexido com o programa, a coisa assusta, e é por causa desse aplicativo que ainda uso Windows em meu notebook. Tentei o Lazarus mas não deu certo. A aplicação que temos que desenvolver é simples. Usa um banco de dados de um campeonato de futebol e a nossa tarefa é criar as telas, fazer as conexões com o DB, sendo que duas tabelas devem ser conectadas em apenas um query para serem executadas em rum time.

Nesta hora que percebi o quanto o trabalho colaborativo ajuda. Usando recursos como MSN, Skype e o Gtalk, pude constatar o quanto vale a pena ajudar e ser ajudado. Um ponto positivo neste processo é que sequer trocamos trabalhos ou partes/códigos do sistema. Cada um fez a sua implementação e as dúvidas eram colocadas em nosso grupo de discussão e através dos programas acima citados.

Confesso que fiquei muito satisfeito com o resultado. Ajudei, fui ajudado, aprendi muito e pude ver que, mesmo cada um estando em sua casa ou em sua cidade, todos nós estávamos ali com um pouco de boa vontade e disponibilidade para ajudar no que fosse necessário.

Em contrapartida, senti que muitos que podiam e tinham condições de ajudar sequer manifestaram a intenção de fazer algo pelo grupo. Mas isso faz parte, infelizmente essas coisas acontacem. Ainda existem pessoas que são indiferentes ao calor humano e as causas coletivas.

Pelo menos nosso esforço foi positivo. Fomos premiados com mais uma semana de prazo para a entrega do trabalho tendo em vista nossa dedicação. Nosso empenho foi reconhecido pelo professor. O grupo de discussão ficou movimentado e isso sensibilizou-o. Agora é botar a mão na massa e continuar ajudando e colaborando, porém sem deixar de buscar o conhecimento acima de tudo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s